sábado, 14 de janeiro de 2017

Missão: Roteiro Cultural 2017-2021


Roteiro Cultural - Manaus
2017-2021





Este roteiro foi criado com o propósito de ser um instrumento para a elaboração de programas socioculturais que promovam a integração da criança, do adolescente e de seus familiares com o seu meio ambiente a partir da busca do conhecimento e dos saberes que compõe a evolução histórica da região amazônica, dando ênfase especial ao cuidado, manutenção e uso inteligente dos recursos naturais e do meio ambiente. Para tanto, procuramos reunir neste roteiro elementos presentes no cotidiano manauara que auxiliem na formação da pessoa como um todo de maneira ética e cidadã para a construção de uma sociedade mais justa e equilibrada.



 
O roteiro contém informações importantes para a integração de pessoas de todas as faixas etárias com os principais centros de difusão cultural da Amazônia, particularmente da cidade de Manaus como museus, teatros, centros culturais, centros de convenções e exposições, parques ecológicos, reservas de desenvolvimento sustentável,  centros de pesquisa e tecnologia, laboratórios, ateliês e centros de lazer, buscando sempre destacar as contribuições dos povos da floresta para a manutenção e preservação do meio ambiente amazônico, assim como compreender o devido valor dos seus direitos e da sua autonomia dentro e fora de seus territórios.







Teatros & Cine Teatros
1.   Teatro Amazonas
Histórico: A primeira ideia concreta de construção de um Teatro em Manaus surgiu em 1881. O deputado Antônio José Fernandes apresenta um projeto de Lei argumentando que “a cidade não dispunha de edifício próprio para representações teatrais, cuja distração é incontestavelmente de utilidade e muito concorre para a civilização da nossa sociedade” e “que a província se acha em condições de satisfazer esta necessidade, que também concorre para o embelezamento da cidade”.





Em junho de 1881 é sancionada a Lei autorizando a construção de um teatro de alvenaria e aquisição do terreno; em maio de 1882 são chamados os concorrentes para apresentação do projeto de arquitetura e orçamento, fixado inicialmente em 250 contos de réis.
A pedra fundamental do Teatro só foi lançada em 1884. As obras estiveram paralisadas de 1886 a 1893, quando foram retomadas pelo governador Eduardo Ribeiro que, apesar do esforço, não chegou a inaugurá-lo.
Depois de muitos entraves políticos, administrativos e técnicos, o Teatro Amazonas foi finalmente inaugurado em 31 de dezembro de 1896, embora sem estar ainda totalmente concluída a construção e decoração.
A construção do Teatro Amazonas ao final do século XIX, só foi possível graças ao período conhecido na história socioeconômica brasileira como Ciclo da Borracha. Somente a privilegiada situação econômica da Província do Amazonas, na época propiciada pela exportação da borracha, tornaria possível a implantação na cidade de projetos tão audaciosos, dos quais o Teatro é o exemplo mais expressivo.
Também contribuiu a visão do governador Eduardo Ribeiro, que deu impulso à nova feição urbanística de Manaus.
Acervo: O Museu do Teatro Amazonas possui um valioso acervo de objetos que evocam as diversas fases da sua história, desde a sua construção aos dias atuais. Parte dele pode ser visto ao longo do percurso de visitação, outra parte encontra-se em Reserva Técnica e destina-se a estudos e eventuais mostras temporárias.
Horário de Funcionamento: Terça a sábado, das 9h às 14h. Venda de ingressos: (Amazonense não paga visitação)
Endereço: Av. Eduardo Ribeiro, 659 Centro, CEP: 69.010-001.
Telefone: (92) 3622-1880 / 3622-2420

2.   Teatro Jorge Bonates
Histórico: O Teatro Jorge Bonates, inaugurado em 28 de novembro de 2002, é um espaço cultural aberto pelo Governo do Estado para a dinamização e revitalização das atividades artísticas em várias áreas da capital e integra a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Cultura.





Atividades Desenvolvidas: Espetáculos de teatro infantil, estudos, ensaios cênicos, reuniões e palestras.
Horário de funcionamento: Administração: segunda a sexta-feira – 08h às 17h. Ensaios e atividades extras: segunda a sexta-feira – 17h às 21h. Apresentações: sábado- 8h às 21h e domingos – 18h às 19h.
Endereço: Avenida Mário Ypiranga, Sede da SEAD – Secretaria de Estado da Administração, Recursos Humanos e Previdência.
Telefone: (92) 3622-2224 (Difusão Cultural)

3.   Teatro Gebes Medeiros
Histórico: Inaugurado em 25 de novembro de 2000, como parte da revolução cultural desencadeada pelo Estado – é um espaço cênico de difusão cultural do movimento de teatro, dança, música popular e erudita produzida pelos grupos de artistas regionais, valorizando as expressões artísticas amazonenses. Sua função é formar plateias, oferecendo espetáculos semanais gratuitos, com grupos e artistas locais, subsidiados e produzidos pelo Governo do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Cultura.





Atividades Desenvolvidas: Espetáculos de teatro adulto, performances artísticas, estudos, ensaios cênicos, shows musicais e sessões de cinema. Cineclube.
Endereço: Av Eduardo Ribeiro, 937 – Centro (Ideal Clube)
Telefone: (92) 3622-2224 (Difusão Cultural)
Horário de funcionamento: Administração: Segunda a Sexta – feira – 08h às 18h. Ensaios e atividades extras: Segunda a Sábado – 08h às 21h. Apresentações: Sextas-feiras – 18h30 às 19h30.

4.   Teatro Luiz Cabral
Histórico: O Teatro Luiz Cabral foi inaugurado em 21 de agosto de 2002, na Zona Leste de Manaus, nas dependências do Shopping Grande Circular. Tem como objetivo a formação de plateias e a difusão da produção artística amazonense nas áreas de teatro, dança, música erudita e popular, valorizando as expressões artísticas oriundas do bairro de São José e adjacências. As sessões são gratuitas.





Atividades Desenvolvidas: Espetáculos de teatro infantil, espetáculos de dança, estudos, ensaios cênicos e cinema infantil.
Horário de funcionamento: Administração: Segunda a sexta – feira – 08h às 17h. Ensaios e atividades extras: Segunda a sexta-feira- 08h às 21h. Apresentações: 16h às 17h (cinema infantil) e 18h às 19h (teatro infantil).
Endereço: Av. Autaz Mirim, 6250 – shopping Grande Circular – São José II.
Telefone: (92) 3622-2224 (Difusão Cultural)

5.   Teatro da Instalação
Histórico: O Teatro da Instalação, criado pelo Governo do Estado, teve sua inauguração no dia 6 de maio de 2001, com a Ópera dos Três Vinténs, de Weill e Brecht, durante o V Festival de Ópera. Está instalado na antiga “Casa Havaneza”, um edifício significativo da Belle Époque, que teve seu entorno completamente restaurado com a reconstrução e revitalização do Centro antigo de Manaus. Integra a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Cultura (SEC) e está subordinado administrativamente ao diretor do Teatro Amazonas.





Atividades Desenvolvidas: Espetáculos de teatro adulto, espetáculos de dança, shows musicais, estudos, ensaios cênicos, ensaios de dança e cinema.
Horário de funcionamento: Administração: segunda a sexta-feira – 8h às 17h. Funcionamento para ensaios e atividades extras segunda a sexta-feira – 8h às 21h. Ensaios, estudos e atividades funcionais diárias da Companhia de Dança do Amazonas (CDA) – segunda a sexta-feira – 09h às 15h. Amazonas Jazz Band – segundas, terças e quartas-feiras – 19h às 21h. Horário das apresentações: Sábado – 19h às 20h.
Endereço: Rua Frei José dos Inocentes, s/nº – Centro – Manaus - AM
Telefone: (92) 3631-5739 / 3622-2224 (Difusão Cultural)
Informações Adicionais: As sessões de cinema ocorrem as quinta e sextas-feiras, a noite, às 19:00. Não é permitido comer na área da plateia e mezanino, apenas na área do Café Havanesa. Não é permitido, riscar, rasgar ou colocar os pés nas poltronas e paredes nas áreas de convivência do prédio.

6.   Teatro Américo Alvarez
Histórico: O Teatro Américo Alvarez foi inaugurado no dia 5 de novembro de 1986, com o nome de Teatro dos Artistas e dos Estudantes, tendo funcionado até 1990 como Centro de Estudos e Pesquisas de Artes Cênicas. Em 1992 ele foi reformado, sendo então renomeado Américo Alvarez. Fechado em 1997, foi reinaugurado em 2001 pelo Governo do Estado, depois de reconstruído e modernizado. Integra a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Cultura (SEC).





Atividades Desenvolvidas: Espetáculos de teatro adulto, performances artísticas, estudos e ensaios cênicos. Sessões de Cinema Cineclube.
Endereço: Rua Ramos Ferreira, 1512 – Centro
Telefone: (92) 3631-3835 / 3622-2224 (Difusão Cultural)
Horário de funcionamento: Administração: Segunda a sexta – feira – 08h às 18h30. Ensaios e atividades extras: Segunda a sábado- 08h às 21h. Horário das apresentações: Sábado- 19h às 20h.
Informações Adicionais: Teatro Américo Alvarez não possui guia, pois não tem finalidades de visitação turística. Não é permitido comer e/ou beber na área da plateia. Não é permitido, riscar, rasgar ou colocar os pés nas poltronas e paredes nas áreas de convivência do prédio.

7.   Cine Teatro Aldemar Bonates
Histórico: Foi inaugurado no dia 20 de dezembro de 2012. É um espaço cultural aberto pelo Governo do Estado para a dinamização e revitalização das atividades artísticas em várias áreas da capital e integra a estrutura organizacional da Secretaria de Estado de Cultura, na qual apresenta atividades de ensino, sessões de cinema e espetáculos culturais de dança, teatro e música.





Esse espaço retrata a vida do ator comediante Aldemar dos Santos Bonates, nascido em 1º de agosto de 1928, em Guaporé – Acre. Em 1955 iniciou suas atividades artísticas ao conhecer o diretor e ator Américo Alvarez, e juntos nas tardes ou manhãs de domingo no Teatro Amazonas participavam de shows, esquetes e de peças escritas por Américo destinadas, em sua grande maioria, ao público infantil.
Américo interpretava o “Vovô Branco” e Aldemar interpretava vários personagens, mas tinha predileção por um de sua própria autoria, seu alter ego, o “Pitomba”, um molecote negro brincalhão, travesso, esperto e carinhoso. Contracenou com alguns atores consagrados da dramaturgia nacional, como Milton Carneiro, Henriette Mourineau e Zbigniew Marian Ziembinski. Atuou em peças como: Amor Paternal, Auto da Compadecida e Raposas e as Uvas.
Eventos Realizados: Exibições de cinema às sextas das 14h às 15h30. Espetáculos de teatro ou dança às sextas das 18h às 19h. Espetáculos de animação circense (palhaços, shows de mágica, etc.) aos sábados das 16h às 17h. Espetáculos de teatro infantil aos sábados das 17h às 18h
Horário de Funcionamento: De segunda a sábado, das 8h às 20h
Endereço: Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou – Avenida Brasil s/ nº – Bairro Santo Antônio – Manaus - AM
Telefone: (92) 3878-4258 / 3878-4259

8.   Cine Teatro Guarani
Atividades Desenvolvidas: Cinema Cinemartecultura, ensaios cênicos, estudos, reuniões e coletivas.





Horário de funcionamento: Administração: segunda a sexta-feira – 08h às 17h. Ensaios, reuniões, entrevistas e atividades extras: segunda a sexta-feira – 08h às 17h. Sessões de cinema do Cinemarte Cultura: terça a sexta-feira – 18h às 21h.
Endereço: Av. Sete de Setembro, nº 1546 – Centro, anexo a Vila Ninita.
Telefone: (92) 3622-2224 (Difusão Cultural)

9.   Cine Teatro Pe. Pedro Vignola
Histórico: Foi inaugurado em 20 de dezembro de 2007, e possui uma capacidade de 207 lugares. – Neste espaço desenvolvem-se atividades culturais com o objetivo de trabalhar com a comunidade, promovendo um contexto de aprendizagem que viabilize a valorização do indivíduo, a formação de valores positivos através da arte cultura.





Atividades Desenvolvidas: Cine Família – ciclo de filmes de temática social, voltados para a discussão das questões dos conflitos humanos familiares (drogas, desagregação, economia, educação, práticas antissociais etc.); Cine Magia – ciclo de filmes para a infância. A necessária retomada do imaginário poético literário da criança; Cine Ecologia – ciclo de filmes de ficção ou documentários temáticos voltados para as questões essenciais da Região Amazônica, sobre os aspectos econômicos, ambientais, educacionais, históricos e geográficos; Cine Brasil – Exibição de filmes nacionais de todos os tempos; Cine Arte – Exibição de clássicos do cinema. Ao final de cada sessão acontecem discussões sobre o tema abordado com a participação de profissionais especializados na área de psicologia, sociologia ou medicina e de cinema. Espetáculos de dança e música: ciclo de teatro para a infância; Ciclo de teatro adulto contemporâneo; Apresentação de grupos teatrais da Zona Norte; Ciclo de dança contemporânea; Apresentação de grupos de dança da Zona Norte; Concerto de música popular amazonense – grandes nomes; Concerto de música de câmara; Concurso de novos talentos da família compositores e intérpretes da zona Norte.
Endereço: Rua Gandú com Av. Noel Nutels, no. 119 – Cidade Nova II
Telefone: (92) 3878-6150/ 3878-6152/ 3878-6177

10.       Cine Teatro Comandante Ventura
Histórico: Foi inaugurado em 2008, com o nome em homenagem ao Sr. José Antônio Dias Loureiro Ventura, português que em 1919 fixou residência em Manaus, criando o Corpo de Bombeiros Voluntários na comunidade de Aparecida. Atuou em apoio à comunidade, combatendo incêndios, distribuindo água e disseminando a Cultura Portuguesa organizando grupos de folclore e música, além de participar de eventos na rádio e no Teatro Amazonas, todos mantidos com seus próprios recursos.





O Comandante Ventura, nome pelo qual ficou conhecido em toda a cidade, morreu em acidente ocorrido em 4 de dezembro de 1961, quando cumpria, juntamente com companheiros, atendimento à comunidade. Pouco tempo depois o Corpo de Bombeiros Voluntários fechava suas portas.
Atividades Desenvolvidas: No Cine Teatro Comandante Ventura são desenvolvidas atividades de Coral, de Teatro e de Dança.
Endereço: Centro de Convivência do Idoso – Rua Wilkens de Matos, s/n, Aparecida – Centro – próximo a Escola de Samba Aparecida
Telefone: (92) 3878-6201 / 3878-6202

Museus
1.   Pinacoteca do Estado
Histórico: A Pinacoteca do Estado do Amazonas surgiu quando o artista plástico Moacir Andrade sentiu que os artistas amazonenses não tinham o seu espaço. Conversando em 1954 com o historiador amazonense Arthur Cézar Ferreira Reis, apresentou sua ideia de criar um ambiente onde os artistas pudessem expor suas obras de forma permanente.





Moacir Andrade e os demais artistas puderam concretizar seu sonho em 1964, quando Arthur Reis fora nomeado Governador do Estado do Amazonas.
A Pinacoteca foi institucionalizada através da Lei n. º 233, de 18 de junho de 1965 e sua primeira sede localizava-se em um salão da ala direita da Biblioteca Pública.  Possuía em seu acervo cerca de 90 obras de arte que retratavam as técnicas de artistas de todo o Brasil, como: pintura a óleo, bico de pena, xilogravuras e talhas.
Eram sediados no espaço cursos de desenho (Manoel Borges), pintura (Moacir Andrade), história da arte e xilogravura (Álvaro Páscoa). Vale ressaltar a atuação de Álvaro Páscoa como professor da pinacoteca, responsável por formar toda uma geração de artistas plásticos contemporâneos como Hahnemann Bacelar, Enéas Valle, Zeca Nazaré, Van Pereira, Thyrso Muñoz e Jair Jacqmont. Este último viria tornar-se diretor da instituição na década de 1990.
Em 1992, a pinacoteca foi transferida para o Centro de Artes da Usina Chaminé com o prédio já reformulado e tendo como diretor o artista plástico Jair Jacqmont, Além da realização de inúmeras exposições de artistas locais e nacionais a pinacoteca continuou contribuindo para formação de novos talentos, promovendo cursos de artes plásticas.
Já em 2000, a Pinacoteca passou a integrar o Complexo Cultural Palácio Rio Negro, e foi transferida para o pavimento superior da Vila Ninita, com projeto de curadoria do artista plástico Oscar Ramos. Atualmente a Pinacoteca é dirigida pelo Departamento de Museus por Maria Nazarene Maia, com a curadoria de Lilian Fraiji.
A partir de 2009 passou para sua nova sede no Palacete Provincial – local totalmente revitalizado com cinco Museus da Secretaria, compondo o cenário do prédio.
Acervo do Espaço: A Pinacoteca do Amazonas possui um acervo composto por mais de mil peças de técnicas variadas, abrangendo a produção artística brasileira entre os séculos XIX e XX, com ênfase especial nos artistas amazonenses. Promove exposições permanentes e temporárias e organiza eventos culturais diversos.
Entre as exposições presentes no espaço estão “Luz – Panorama das artes plásticas no Amazonas”, “Presença e Ausência de Luz” e “Luz e Movimento”, com cerca de 200 obras de artes expostas em dois salões.
Endereço: Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro – Manaus – AM.
Telefone: (92) 3631-6047

2.   Museu do Homem do Norte
Histórico: O Museu do Homem do Norte teve sua origem na Fundação Joaquim Nabuco – Fundaj, instituição federal com sede em recife, no estado de Pernambuco, na década de 80 do século passado. Idealizado pelo sociólogo-antropólogo Gilberto Freyre, o Museu foi criado com o objetivo de reunir um significativo acervo que representasse e refletisse as características e peculiaridades da vida do da região norte do Brasil.





Inaugurado em 13 de março de 1985, funcionando em um prédio da Av. Sete de Setembro, no centro de Manaus, o Museu do Norte foi administrado pelo Fundação Joaquim Nabuco, por meio do seu Instituto de Estudos da Amazônia até 2006 quando cessaram as atividades da Fundaj na região norte. Foi então realizado um contrato de Comodato entre a Fundaj e a Prefeitura de Manaus, para que esta a administrasse até julho de 2010. Nesse período o Museu esteve fechado por dois anos sendo reaberto ao público em 16 de maio de 2008 em novo endereço na rua Quintino Bocaíuva, no centro da cidade, no centro da cidade, onde funcionou por cerca de seis meses voltando a ser fechado.
O contrato com a Prefeitura de Manaus havia expirado sem que esta manifestasse interesse em continuar administrando o Museu. Diante do impasse e da possibilidade do acervo ser remanejada para Recife, sede da Fundaj, em agosto de 2010 o Governo do Estado do Amazonas decide tomar pra si a administração do Museu do Homem do Norte, firmando com a Fundaj um contrato de Comodato, por meio da Secretaria de Estudo da Cultura, e assumindo a responsabilidade pela guarda acervo e revitalização do Museu.
Assim, em 29 de setembro de 2011, o Museu do Homem do Norte reabre suas portas ao público, em nova fase, com nova curadoria, e adequadas instalações realizando, inclusive, uma aspiração do seu projeto original: de possuir espaços expositivos ao ar livre, o que foi possível graças a atual localização, no Centro Cultural dos Povos da Amazônia que dispõe de ampla área externa.
Museu: A valida até hoje e a eles foram agregadas novas perspectivas conceituais e de comunicação na área museológica Gilberto Freyre na sua obra Ciência do Homem e Museologia (1979) já comentava “O Brasil é hoje um pais em que se desenvolve uma consequência museológico ao lado de outra que a ela se liga: a de que cultura nenhuma, nenhuma sociedade, nenhum povo se conhece a si próprio ou consegue tornar-se senhor das suas constantes socioculturais, sem ligar ao seu passado ao seu presente e os seus possíveis futuros (…).” Hoje, o Museu do Homem do Norte além de expor esse tempo tríbio descrito por Gilberto Freyre, evoluiu no seu discurso e acompanha as mudanças por que passa a sociedade, atualizando sua comunicação e inserindo nas suas atividades propostas de inclusão socioculturais.
Acervo: O acervo do Museu do Homem do norte constituído por cerco de 2.000 objetos, foi adquirido ao longo do tempo por meio de doações, compras, cessões e incorporações. Sua força está no conjunto das coleções por aquilo que representam, mais do que pelo valor unitário das peças. O conjunto permite uma visão da amplitude cultural regional desde as técnicas do trabalho do dia a dia das populações amazônidas, aos meios de transporte, as habitações, a alimentação, as festas, o artesanato, a religiosidade, os mitos e ritos além de importante acervo arqueológico.
Serviços: O museu do Homem do Norte dispõe de visitas guiadas, em português e em inglês, para grupos de estudante e turistas, inclusive inglês, além de possibilitar visitas assistidas para deficientes visuais, dispondo ao longo do percurso objetos que podem ser tocados.  Possui um auditório em formato lounge, que abriga o Cine-Vídeo Clube Silvino Santos que apresenta filmes e documentários.
Contamos também, com o Cine Silvino Santos, uma homenagem ao pioneiro do cinema na Amazônia, foi antes de tudo, um fotógrafo.
Horário de Funcionamento: De segunda a sexta, das 09 às 14h.
Endereço: Praça Pereira da Silva - CEP: 69.073-270
Telefone: (92) 2125-5323

3.   Museu da Imagem e do Som do Amazonas
Histórico: O Museu da Imagem e do Som do Amazonas (Misam), instituição cultural de natureza pública estadual, sem fins lucrativos e de acesso gratuito que tem como missão a guarda, conservação e preservação de acervos audiovisuais voltados para temas regionais e gerais, com intuito de divulgar, entreter e educar por meio de ações culturais.





Atividades Desenvolvidas: Concurso de Fotografias – Em comemoração ao dia mundial da fotografia – 19 de agosto, O Museu da Imagem e do Som do Amazonas, o Misam, realiza um concurso de fotografia amador aberto para brasileiros ou estrangeiros residentes no Estado do Amazonas, de todas as idades, com isso queremos estimular, reconhecer e divulgar imagens criadas por fotógrafos valorização e incentivo à prática da fotografia.
Exposições – são duas as exposições de longa duração: a exposição “Silvino Santos”, fotógrafo e cinegrafista luso-brasileiro que se estabeleceu em Manaus, tendo sido o autor, juntamente com Agesilau Araújo (filho do Comendador J. G. Araújo), do clássico documentário em branco-e-preto sobre a Amazônia, intitulado No Paiz das Amazonas (Brasil, 1921). Exposição “Cine Guarany” que foi demolido, transformando-se em escombros. Chamado originalmente de Cine Olympia, depois Cine Teatro Alcazar, de estilo arquitetônico inspirado no Oriente e somente, muito tempo depois, Cine Teatro Guarany. Agora, o espaço é ocupado pelo Banco Itaú.
Exposições temporárias, como “Máquinas do Tempo”, que conta com 23 máquinas fotográficas fabricadas entre os anos de 1866 a 1980. É muito interessante ver a transformação e a evolução das máquinas com o passar do Tempo.
Acervos do Espaço: O acervo do Misam é formado por doações de diversas entidades e colecionadores, bem como, por aquisições, sendo parte dele formado por documentos institucionais produzidos pela SEC, coleções que juntas representam uma variedade de peças visuais e audiovisuais, que se constituem em:
Acervos Museológicos: equipamentos de fotografia, cinema, música, televisão, rádio dentre outros, além de peças de mobiliários; Acervos Iconográficos: fotografias em papel, negativos e diapositivos em acetato e vidro; fotografias digitais em CD-R e DVD-R; filatelia e cartões postais; Acervos Bibliográficos e Arquivísticos: livros, catálogos, jornais e revistas, partituras musicais, cartazes institucionais, pôsteres de cinema, impressos e manuscritos; Acervos Audiovisuais e Multimídia: filmes/documentos em DVD, Blu-ray, fitas de vídeo e película, música em CD, discos de vinil, fitas cassete, DVD e fitas de vídeo.
Guia de Visitas: O Misam dispõe quatro cabines individuais devidamente equipadas para pesquisa, contudo, a consulta é permitida somente a partir de 14 anos, sendo necessário o cadastro.
Disponibiliza parte do acervo para uso local proporcionando conhecimento, lazer e entretenimento. Também disponibilizamos quinze cabines individuais para consulta em CD, Disco de Vinil, DVD, Fita Cassete e Blu-ray.
Recomendamos aos nossos visitantes que não consumam alimentos ou bebidas e nem tirem fotos nos ambientes internos.
Horário de Funcionamento: De terça a sexta-feira, das 9h às 14h.
Endereço: Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro – Manaus - CEP: 69005-260

4.   Museu de Numismática Bernardo Ramos
Histórico: O Museu de Numismática do Amazonas tem a sua origem na coleção de moedas, medalhas, cédulas e documentos históricos, organizada pelo comerciante amazonense Bernardo Ramos. Estudioso e fascinado pela Numismática, viajou por vários países, adquirindo peças para sua coleção.





Acervo do Espaço: O acervo do Museu compreende em mais de 20.000 (vinte mil) peças. Recebemos doações de moedas, medalhas, selos, cédulas e cartões telefônicos, e os mesmos farão parte do acervo, abrilhantando ainda mais essa magnífica coleção.
Guia para Visitas: Não ingerir Alimentos e bebidas dentro dos espaços. Não se debruçar e tocar nos vidros das vitrines. Não atender celular ou conversar em voz alta. Não fotografar as moedas (somente fotos panorâmicas do salão, sem flash e seguir as orientações do guia do museu).
Horário de Funcionamento: De terça a sexta, das 09 às 14h. Sábado, das 09 às 13h.
Endereço: Palacete Provincial, Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro – Manaus - CEP:69005-260

5.   Museu Tiradentes
Histórico: Foi organizado e inaugurado em 1984, por iniciativa do então Comandante Geral da Polícia Militar (PM) Cel. Elcio Motta, sob a orientação técnica da Fundação Joaquim Nabuco, sua primeira sede foi um salão no térreo do Comando Geral da PM na Praça Heliodoro Balbi.





Em 2009, o museu é reinstalado em seu antigo local, hoje denominado – Palacete Provincial, representando uma importante parcela para a compreensão da história do Estado e da corporação à qual pertence, devendo, portanto, ser preservado e colocado à disposição da sociedade, cumprindo assim, o seu papel de transmissor de conhecimentos e valores.
Acervo: Seu acervo é constituído por dezenas de objetos, tais como: armas antigas, equipamentos do Corpo de Bombeiros, uniformes, distintivos e condecorações, documentos, fotografias e outros.
Eventos: Presta-se ao uso ocasional, em eventos especiais da Polícia Militar, e a recepção de autoridades pelo Comandante Geral da Corporação. Exposição Permanente: Flagrantes da História.
Horário de Funcionamento: De terça a sexta-feira, das 9h às 14h. Entrada Franca
Endereço: Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro – Manaus – AM
Telefone: (92) 3631-6047

6.   Museu de Arqueologia
Histórico: O Museu de Arqueologia, instituído pelo Governo do Estado do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Cultura, teve sua inauguração em 25 de março de 2009, de natureza eminentemente pedagógica apresenta evidências da cultura material de grupos humanos imemoriais que aqui viveram.





Provenientes de Sítios Arqueológicos do Estado do Amazonas, cujo seu maior objetivo é mostrar ao público visitante um pouco do conhecimento pré-colonial da perspectiva antropológica e artística, entre outras, dos povos que aqui viveram e legaram as mais diversas formas de expressão cultural. Complementados por banners com textos e fotos explicativas do “fazer arqueológico” em campo. O visitante se depara com algumas das técnicas adotadas numa escavação, e pode observar como estas evidências culturais destes povos extintos são encontradas pelos Arqueólogos, e alguns dos equipamentos usados por eles em campo.
Atividades: Materiais encontrados na Ponta Negra, que foram descobertos entre os anos de 1984 e 1985, fragmentos cerâmicos coletados por banhistas na Orla do Rio Negro, o qual totaliza 745 fragmentos. Fragmentos cerâmicos do Sítio Miracanguerana, que se localiza no Município de Manacapuru, descobertos no ano de 1983, coletados por moradores, totalizando 5.815 fragmentos. Estatueta Antropozoormorfa, cedida pelo Instituo Geográfico e Histórico do Amazonas- IGHA ao Museu de Arqueologia.
Horário de funcionamento: A partir do dia 17 de janeiro de 2017, o Museu de Arqueologia passa a receber o grande público sempre das 9h às 14h, de terça a sexta-feira. Entrada Franca.
Guia de visitação: Não é permitido fazer fotos (somente com autorização); não é permitido transitar com bebidas ou alimentos no ambiente interno
Endereço: Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro
Telefone: (92) 3631-6047

7.   Laboratório de Arqueologia
Histórico: O Laboratório de Arqueologia Alfredo Mendonça de Souza, instituído pelo Governo do Estado do Amazonas, por meio da Secretaria de Estado da Cultura, localizado no porão alto do palacete provincial, homenageia um carioca criado no Amazonas, fundador da primeira Faculdade de Arqueologia do País, a Marechal Rondon, que também oferecia o curso de Museologia.





No Laboratório encontra-se a cultura material resgatado na Igreja Matriz de Nossa Senhora da Conceição – Catedral Metropolitana de Manaus, por força dos trabalhos de salvamento e pesquisa, quando das intervenções civis e de restauração realizadas em 2002, que resultou em cerca de – quase três toneladas de cultura material de caráter histórico e esta foi a “pedra de toque” para a implantação do Laboratório, em virtude de Manaus não possuir espaço similar que desse condições de análise adequada e guarda deste rico acervo.
Além da cultura material referido, o Laboratório tem recebido várias doações de artefatos em pedra (líticos) e fragmentos cerâmicos, de grupos ágrafos que habitaram o atual Estado do Amazonas, no Período Pré-Colonial.
Aberto à visitação, é possível ver a pequena amostra do tipo de material coletado na Catedral e de outros sítios arqueológicos.
Funcionamento: Funcionando como laboratório interativo (aberto para visitantes) no Horário de 09h00min às 17h00min de terça a sexta-feira. Sendo que esses só podem visitar o saguão principal do laboratório.
Para doações ou pesquisas arqueológicas somente no horário de terça a sexta das 09 às 14h, com a presença da arqueóloga responsável.
Guia de visitação: Não é permitido fazer fotos (somente com autorização); não é permitido transitar com bebidas ou alimentos no ambiente interno
Endereço: Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro
Telefone: (92) 3631-6047

8.   Museu Casa Eduardo Ribeiro
Histórico: Inaugurado em 18 de março de 2010, o Museu Casa Eduardo Ribeiro, recupera a história pessoal, militar e administrativa do maranhense, considerado o grande transformador da capital amazonense. Foi adquirido por particulares depois de sua morte e pelo Governo da União Federal, em 1961 e em 2002 foi cedido ao Estado por meio de comodato, através da Secretaria de Estado de Cultura, para os fins específicos de recuperação da memória da cidade e da história da medicina. Está localizado em uma área de interesse de preservação, no Centro Histórico de Manaus.








Possui uma exposição permanente de mobiliário residencial de época, objetos de uso pessoal e de arte que procuram recriar o modo de vida do final do século XIX e início do século XX, época em que viveu Eduardo Gonçalves Ribeiro. As salas e aposentos tomam o nome de fatos e personagens considerados relevantes na vida do ex-governador e seus antigos proprietários.
Na mesma casa considerando o uso posterior do imóvel, está instalada a sede da Academia Amazonense de Medicina, fundada em 1980, na qual podem ser encontradas informações sobre a história da medicina no Amazonas, disponibilizadas em linguagem digital.
Acervo: Constituído por móveis e utensílios típicos de uma residência particular de alto nível conforme os padrões dos anos 1890/1900 da cidade de Manaus, reconstituídos e tendo por base referencial o arrolamento de bens do ex-governador Eduardo Gonçalves Ribeiro, em 1900, e o edital de leilão em hasta pública dos móveis originais, inclui também objetos de uso pessoal, equipamento de trabalho, vestuário e lazer. Acervo textual, documentos digitalizados de caráter pessoal e profissional.
Exposição permanente: Exposições Cenográficas de Época – Vida e Obra do Governador Eduardo Gonçalves Ribeiro, Família Bretislau de Castro e História da Medicina no Amazonas.
Horário de funcionamento: Das 9h às 14h, de terça a sexta-feira. Entrada Franca
Endereço: Rua José Clemente, 322 – Centro Histórico de Manaus
Telefone: (92) 3631-2938

9. Museu do Seringal Vila Paraíso
Histórico: Atraindo visitantes que desejam conhecer de perto o modo de ser e viver do homem do seringal, o Museu do Seringal Vila Paraíso foi inaugurado dia 16 de Agosto de 2002, e é o maior projeto turístico e cultural do Governo do Estado, pois mostra a era de ouro do Ciclo da Borracha e oferece uma ampla visão da situação dos seringais naquela época.




 Resultado do polo de cinema do Amazonas, foi originalmente criado para servir de set de filmagens do seriado “A Selva”, dirigido por Leonel Vieira em uma adaptação livre da obra do escritor português Ferreira de Castro, que volta ao passado histórico caracterizando a economia e a sociedade Amazonense no início do século XX.
Acervo: É formado por ambientações de época – ciclo da borracha – com móveis e utensílios que testemunham a riqueza dos seringais, quando a borracha estava no auge de sua valorização econômica.
Exposição Cenográfica Permanente: Retratando “in loco” o marco da sociedade amazonense na economia da Amazônia no início do século XX – período áureo da borracha nos seringais.
Informações Importantes: Visitas Guiadas, direcionadas a estudantes, pesquisadores, turistas e ao público em geral. Em casos de grupos a partir de 15 pessoas, as visitas devem ser agendadas com antecedência pelo e-mail: demus@culturamazonas.am.gov.br . O visitante é responsável por seu deslocamento até o local
Endereço:  Igarapé São João – Afluente do Igarapé do Tarumã Mirim (Zona Rural).  Acesso: Somente por via fluvial (barco: De 25 a 30minutos)
Horário de Funcionamento: De domingo a domingo, das 09h às 16h. Venda de Ingressos.
Telefone: (92) 99403-3013/99403-7261

Centros Culturais
1.   Casa das Artes
Histórico: A Casa das Artes é um espaço artístico e cultural da cidade de Manaus, gerenciado pelo Governo do Estado do Amazonas, através da Secretaria de Estado de Cultura. Inaugurada em dia 21 de setembro de 2004, tem como objetivo oferecer múltiplas atividades culturais para a sociedade com o intuito de valorizar e criar produções artísticas espontâneas.


 



Horário de funcionamento: De terça a sexta, das 18h às 21h. Aos sábados e domingos, das 17 às 21h
Telefone: (092) 3631 6227
Endereço: Rua José Clemente, Nº 564 – Centro Manaus – Amazonas, 69010-070, Brasil

2.   Casa da Música Ivete Ibiapina
Histórico: A casa de música tem esse nome em homenagem à pianista Ivete Freire Ibiapina, considerada por muitos a figura mais importante na cultura musical do Amazonas. O casarão está localizado em pleno coração de Manaus, ao lado do Teatro Amazonas e foi completamente restaurado pelo Governo do Estado e inaugurado no dia 6 de novembro de 2001, somando-se ao patrimônio histórico e artístico amazonense.





Horário de Funcionamento: Visitação: De segunda a sexta-feira, das 8h às 20h
Telefone: 3631-3044/ 3635-5832/ 9142-2843/ 9116-7873.
Endereço: Rua 10 de julho, 451 – Centro – Manaus/AM.

3.   Centro de Convenções – Sambódromo
Histórico: Palco de diversos espetáculos, o Centro de Convenções Profº Gilberto Mestrinho, o Sambódromo, foi inaugurado oficialmente em 1994. Antes disso já havia sido pré-inaugurado em 1991 e 1992, com apenas alguns lances de arquibancada, ainda assim foi palco de festas comandadas por bandas de frevo.





Com aproximadamente 405 metros de comprimento e capacidade para 100 mil pessoas, o Sambódromo já sediou shows religiosos, regionais, nacionais e internacionais, além dos Desfiles das Escolas de Samba de Manaus, o Carnaboi, os Desfiles Escolares e Militares, no mês de setembro, e o Boi Manaus.
São, no total, oito lances de arquibancadas, sendo seis paralelos à pista de desfiles, com capacidade para quatro mil pessoas cada, e dois na chamada ferradura com capacidade para dez mil pessoas, sendo cinco mil em cada lado. O local também abriga o Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro e a Biblioteca Braile.
Horário de Funcionamento: De Segunda a Sexta, das 8h às 13h e das 14h30 às 17h.
Telefone: Sambódromo (92) 3232-2488 / Departamento Praças Culturais (92) 3631-6512
Endereço: Av. Pedro Teixeira, nº 2565, bairro de Flores

4.   Galeria do Largo – Centro de Artes Visuais
Histórico: Em 1942 este imóvel pertenceu à família Mattos Areosa, tendo nele residido o Governador do Estado do Amazonas Danilo Duarte de Mattos Areosa, que comandou os destinos do Estado no período de 1967 a 1971. Em 1957 residiu o Sr. Newton de Menezes Vieiralves, que ocupou vários cargos públicos na cidade de Manaus, como o de Secretário de Fazenda, Secretário da Justiça, Secretário de Planejamento e Procurador Geral de Justiça. Em 1985 o imóvel passou a ser de propriedade da Construtora Rayol, cuja sede funcionou no local até meados de 2005, sendo posteriormente alugado ao Governo do Estado, para ser inserido ao projeto de revitalização do Largo de São Sebastião, para funcionar o Centro de Artes Visuais – “Galeria do Largo”, um espaço de referência da arte contemporânea.




A Galeria do Largo foi inaugurada no dia 04 de novembro de 2005 durante o 2° Amazonas Film Festival com uma exposição de cartazes de filmes históricos do cinema nacional.
Horário de Funcionamento: De Terça a Domingo das 13h às 21h
Telefone: 3631-4786
Endereço: Rua Costa Azevedo, 290 – Largo São Sebastião – Centro Manaus – AM.

5.   Centro Cultural Palácio da Justiça
Histórico: O Centro Cultural Palácio da Justiça é um patrimônio cultural do Estado do Amazonas, gerenciado pelo Governo do Estado do Amazonas, por intermédio da Secretaria de Estado de Cultura, destinado à visitação pública – como culto a nossa história – e, também, à promoção das artes, como espaços apropriados a exposições, espetáculos musicais, teatro, cinema, palestras, etc.




Obra centenária, concluída no início do Século XX para abrigar o Poder Judiciário, sua inauguração foi realizada em 21 de abril de 1900 no governo do Coronel José Cardoso Ramalho Júnior, tendo como presidente do Tribunal, o Desembargador Cézar do Rego Monteiro, mesmo sendo um dos principais exemplares da arquitetura clássica do período áureo da economia da borracha, suas linhas estruturais seguem o estilo renascentista. Foi tombado como patrimônio histórico estadual em 1980 e, ao longo dos anos passou por várias obras de conservação e restauração, especialmente a realizada em 2001/02, sendo inaugurado como Centro Cultural Palácio da Justiça em junho de 2006, portanto merecendo cuidados específicos e atenção especial por partes daqueles que o utilizam.
Horário de Funcionamento: Visitação: terça a sexta-feira das 09h às 16h e aos domingos das 09h às 13h.
Guia de Visitas: O Palácio é aberto à visitação pública e tem como objetivo mostrar a casa do judiciário com seu mobiliário de época e a nossa história. Como também é voltado à promoção das artes, com espaços apropriados a exposições, espetáculos musicais, teatro, cinema, palestras, etc.

6.   Palácio Rio Branco
Histórico: Trata-se de um prédio estilo eclético construído entre os anos de 1905 e 1938, formado de dois pavimentos e apresentando três seções. Projetado com a finalidade de abrigar a Chefatura da Polícia, o que não procedeu, o Palácio Rio Branco teve sua conclusão na Administração do Álvaro Botêlho Maia em 7 de setembro, ficando o prédio para a Assembleia Legislativa do Estado do Amazonas, sendo a sede da Assembleia vir a ser fixa após 34 anos de inauguração do Palácio Rio Branco.








Patrimônio Cultural da Humanidade, um reconhecimento incomparável, uma herança cultural com arquitetura e memórias políticas que nos remete às riquezas do auge do ciclo da borracha.
Aberto ao público como Centro Cultural, interagindo com o mesmo na forma de viagem no tempo, divulgando sua história com exposições de obras de artes de artistas amazonenses.
Horário de Funcionamento: Segunda de 08h as 12h (Administrativo). Terça a Sexta das 10h às 16h (Visitação). Acessibilidade para deficientes físico, visual e auditivo
Telefone: (92) 3233-7470
Endereço: Av. 7 de Setembro, s/nº – Centro – CEP: 69.005-000 – Manaus - AM

7.   Centro Cultural Palácio Rio Negro
Histórico: O Palacete Scholz foi construído em estilo eclético em 1903 para ser residência particular de um abastado comerciante da borracha, o alemão Karl Waldemar Scholz. O Amazonas era à época um dos estados mais prósperos da União por ocasião do Ciclo da Borracha. A partir de 1911, em virtude da forte concorrência da produção gomífera em terras asiáticas, houve o iminente declínio do comércio da borracha no Amazonas. Além disso, com advento da Primeira Grande Guerra, a linha de navegação entre Manaus e Hamburgo na Alemanha foi interrompida, o que prejudicou de sobremaneira os negócios do Senhor Scholz.




Waldemar Scholz, Presidente da Associação Comercial do Amazonas a partir de 1911 e Cônsul da Áustria desde 1913, na infeliz tentativa de sanar suas dívidas, hipotecou o Palacete por 400 contos de réis ao rico seringalista do Purus, Luiz da Silva Gomes, que foi o mesmo que o arrematou em leilão: Era o fim da próspera estada de Scholz em terras amazônicas e seu retorno ao país de origem.
O Palacete Scholz foi primeiramente alugado ao Governo do Amazonas por um conto de réis, através do então governador, Dr. Pedro de Alcântara Bacellar que não obstante à crise econômica que se abatia no Amazonas; as deficiências do Erário e das críticas de seus opositores, o adquiriu em 1918 por 200 contos de réis recebendo a denominação de Palácio Rio Negro. De 1918 a 1959, portanto, de Bacellar a Mestrinho, serviu de residência aos governadores e Sede do Governo. De 1959 até 1995, somente como Sede de Governo.
Horário de Funcionamento: Visitação: de terça a sexta-feira, das 09h às 16h, aos sábados, de 09h às 13h
Eventos Realizados: O Centro Cultural Palácio Rio Negro está aberto para exposições temporárias e permanentes nacionais e internacionais, dispõe de 03 salas para exposição, localizadas no andar térreo do prédio, bem como, para utilização de serviços de coquetéis e é neste espaço que o governo recebe visitas importantes para o Estado em seu gabinete até a data de hoje.
Telefone: 3232-4450
Endereço: Av. 7 de Setembro – Centro Manaus - AM

8.   Palacete Provincial
Histórico: O Palacete Provincial, conhecido por mais de cem anos como Quartel da Polícia Militar do Amazonas, a partir de 2009 retomou à sua denominação original certamente como um patrimônio que acompanha o evoluir da sociedade amazonense.






O prédio é considerado um patrimônio tangível, tombado em conjunto com a Praça Heliodoro Balbi e o Colégio Amazonense D. Pedro II e está sob a proteção especial da Comissão Permanente de Defesa do Patrimônio Histórico e Artístico. Ao longo de 03 anos e 03 meses a Secretaria de Estado de Cultura restaurou e revitalizou o prédio para nele abrigar 05 museus do Estado: Pinacoteca, Museu da Imagem e do Som do Amazonas, Museu de Numismática Bernardo Ramos, Museu Tiradentes e o recém-criado Museu de Arqueologia e o Laboratório de Arqueologia Alfredo Mendonça de Souza e os Ateliês de Restauro de Obras de Arte e o de Papel.
Horário de Funcionamento: Terça a Sexta, das 09 às 16h, e sábado, das 09h às 13h.
Telefone: (92) 3631-6047
Endereço: Praça Heliodoro Balbi s/n – Centro Manaus, CEP 69005-260

9.   Centro Cultural dos Povos da Amazônia
Histórico: O Centro Cultural dos Povos da Amazônia, inaugurado em 2007, é um espaço que visa valorizar, difundir e disseminar as informações geradas e produzidas sobre os países da Amazônia Continental: Bolívia, Brasil, Colômbia, Equador, Guiana, Peru, Suriname, Venezuela e o território ultramarino francês, a Guiana Francesa. Gerenciado pelo Governo do Estado do Amazonas, por intermédio da Secretaria de Estado de Cultura, o Centro Cultural dos Povos da Amazônia – CCPA é uma homenagem aos Povos Tradicionais da Amazônia e uma evocação à sua diversidade étnico-cultural.







Dispõe de espaços que identificam e popularizam a cultura e os conhecimentos de preservação e valorização das identidades culturais e do patrimônio natural da Amazônia.
Foi construído pelo Governo do Estado do Amazonas, na Praça Francisco Pereira da Silva — Bola da Suframa —, confluência de três grandes avenidas.
Para tanto, dispõe de uma cúpula com cerca de 150 lugares e um auditório com capacidade para 70 pessoas, além de uma ampla arena de espetáculos com capacidade para 17.000 (dezessete mil) pessoas sentadas.
Horário de Funcionamento: Administração: Segunda a sexta-feira, das 8h às 17h. Visitação: de segunda a sexta-feira, das 09h às 16h. Obs.: funciona aos finais de semana e feriados somente quando há a realização de eventos específicos.
Telefone: (92) 2125-5300
Endereço: Av. Silves nº 2.222 – Distrito Industrial I – CEP 69.073-270 - Manaus – AM

10.       Centro Cultural Usina Chaminé
Histórico: Originalmente, o prédio tinha a finalidade de ser usina de tratamento de esgotos da cidade. Foi construído em 1910 pela empresa inglesa Manaós Improviments, concessionária de serviços de saneamento, contratada pelo governo estadual a partir de 1906.




Com características neorrenascentistas, o prédio possui, ao lado direito, uma chaminé de 24 metros, construída com tijolos compactos refratários, coroada por um chapeló em ferro moldado. Por isso, ficou conhecido como Chaminé.
Tombado como Monumento Histórico do Amazonas em 1988, a edificação foi reformada em 1993 como Centro de Artes Chaminé para abrigar a Pinacoteca do Estado, com exposições temporárias.
Em 2002 o prédio recebeu nova reforma, já como Usina Chaminé, e foi reaberto como parte das ações do Programa de Preservação da Natureza da Memória Cultural e Histórica do Amazonas.
Horário de Funcionamento: Visitação e atividades infantis: terça a sexta-feira, das 09h às 16h e  sábados, das 09h às 13h.
Telefone: 3633-3026
Endereço: Av. Manaus Moderna s/n – Centro.

 Formação Cultural
1.   Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou
Histórico: O Centro de Convivência da Família Magdalena Arce Daou foi inaugurado em dezembro de 2011, de acordo com o modelo de programação desenvolvido nos Centros de Convivência da Família Padre Vignola e no Centro de Convivência do Idoso.





O projeto tem obtido resultados positivos com aulas de dança, teatro, música, acesso à leitura através de uma sala projetada e equipada para este fim, além de horas de lazer com apresentações teatrais, musicais e cinematográficas, nos finais de semana.
Acervo: Possui um acervo constituído por obras de literatura popular contemporânea, brasileira, além de clássicos internacionais. Livros didáticos, técnicos e paradidáticos. Variados volumes de livros de best-sellers, artes, autoajuda, a clássica BARSA, almanaque Abril, além de revistas como Veja, Isto é, Época, Caras, Saúde, Quem, National Geografic e Mundo Estranho e armazena ainda alguns livros da Edição Governo do Estado.
Atividades Desenvolvidas: O Centro de Convivência tem como objetivo oferecer entretenimento com qualidade, proporcionando um relacionamento interpessoal saudável entre a comunidade. Com o intuito de descobrir novos talentos e transmitir conhecimentos culturais e artísticos são oferecidos cursos nas aéreas de teatro, dança, coral e música popular.
Eventos Realizados: Carnaval, Páscoa, Dia das Mães, Festa Junina, Dia dos Pais, Dia do Idoso, Dia das Crianças, Comemorações Natalinas, Aniversário do Centro de Convivência.
Horário de Funcionamento: Cursos livres: segunda a sexta das 08h às 21h / sábado das 08h às 17h30. Administrativo: segunda a sexta das 08h às 20h / sábado das 08h às 17h30
Endereço: Avenida Brasil s/ nº – Bairro Santo Antônio – Manaus/ AM

2.   Centro Estadual de Convivência Pe. Pedro Vignola
Histórico: Sua inauguração ocorreu em 20 de dezembro de 2007 e atualmente possui um corpo discente em cerca de 1480 (mil quatrocentos e oitenta) alunos, divididos entre os cursos de música, dança, artes visuais e artes cênicas e 14 (quatorze) professores. O Centro está situado no Bairro da Cidade Nova, Zona Norte de Manaus.




O bairro tem uma população com aproximadamente 350.000 (trezentos e cinquenta mil) habitantes, muitos vindo do interior do estado e é formado por 27 núcleos, responsáveis pelo próprio desenvolvimento. Este Projeto Cultural tem como missão trabalhar com a comunidade, promovendo, um contexto de aprendizagem que viabilize a valorização do indivíduo e a formação de valores positivos através da arte cultura.
Atividades Desenvolvidas: Dança: Iniciação a dança, jazz, danças urbanas, dança de salão e dança da melhor idade – Teatro: Teatro para criança, iniciação as artes cênicas juvenil e iniciação às artes cênicas adulto – Música: Violão, teclado, flauta doce, coral infantil, coral jovem e coral adulto – Artes Visuais: O Desenho e a pintura na criação infantil e desenho artístico. A faixa etária para participação dos cursos é a partir de 07 anos de idade.
Eventos Realizados: Carnaval da Família, Dia Internacional da Mulher, Páscoa, Dia das Mães, Festa Junina, Dia dos Pais, Tercereta, Dia das Crianças, Baile de Debutantes, Festa Anos 80 estilo black tie, Mostra Pedagógica, Aniversário do Centro e toda semana realizamos a Sexta Dançante.
Horário de funcionamento: Segunda a sexta-feira: das 08 às 11h e das 14 às 21h30. Sábado: das 08h às 11hs e das 14 às 18h30.
Endereço: Rua Gandú com Av. Noel Nutles, no. 119 – Cidade Nova II
Telefone: (92) 3878-6150/ 3878-6152/ 3878-6177

3.   Centro Estadual de Convivência do Idoso
Histórico: O Governo do Estado do Amazonas inaugurou, em 29 de agosto de 2008, o Centro Estadual de Convivência do Idoso, atendendo a reivindicação de atores sociais e idosos. O Centro está sob a administração da Secretaria de Estado de Assistência Social, através da gestão compartilhada entre as Secretaria de Estado de Cultura, Secretaria de Estado da Juventude, Esporte e Lazer – SEJEL, Centro Educacional e Tecnológico do Amazonas – CETAM, Secretaria de Estado de Saúde – SUSAM e a Universidade Aberta da Terceira Idade – Unati/UEA.




Atividades Desenvolvidas: São realizadas diversas atividades de dança, teatro e coral e de entretenimento na área cultural visando oportunizar ao idoso, integração social e melhoria da sua qualidade de vida. Propiciando melhoria na qualidade de vida e aumento na autoestima dos idosos através dos cursos e entretenimento, com atividades artístico-culturais realizadas semanalmente Quinta Cultural, Sexta Dançantes e nos finais de semanas espetáculos de dança e teatro.
Acervo: Acervo Literário Amazônico, Romance e Literatura Brasileira.
Eventos Realizados: Quinta Cultural, Tarde Dançante, Mostra Pedagógicas, Aniversário do Centro, Festa junina, Carnaval, Festa Natalina
Horário de funcionamento: Cursos livres: segunda a quinta das 08h às 22h. Cursos livres: sexta das 08h às 12h. Administrativo: segunda a sexta das 08h às 20h
Endereço: Rua Wilkens de Matos, s/n, Aparecida – Centro – próximo a Escola de Samba Aparecida

4.   Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro
Histórico: O Centro Cultural Claudio Santoro deu início as suas atividades em novembro de 1997, permanecendo com este nome até 28 de fevereiro de 2007. Em 1º de março, do mesmo ano, passou a ser chamado Liceu de Artes e Ofícios Claudio Santoro.





Tem como missão desenvolver, aperfeiçoar e explorar o talento de crianças, jovens e adultos, estimulando-os no que se referem à atividade artística, oferecendo gratuitamente, os serviços de oficinas, seminários, workshops, palestras, cursos livres e de formação artística nas áreas de dança, teatro, música popular e erudita, artes plásticas e visuais com a finalidade de desenvolver mão-de-obra especializada modificando o perfil dos profissionais em face da nova ordem de trabalho exigida pelo mercado e proporcionar a população amazonense sua integração à cultura local.
Grupos Estáveis: Camerata de Violões, Coral Adulto, Coral Infantil, Coral Jovem, Formação Artística em Dança, Grupo Experimental de Teatro, Grupo Preparatório de Sopro, Orquestra de Iniciantes, “Camerata Amazônica”, Orquestra de Repertório Popular, Orquestra Jovem Encontro das Águas, Percussão Especial
Endereço: Av. Pedro Teixeira, 2.565 – Dom Pedro I – Centro de Convenções Sambódromo – Manaus - AM
Horário de funcionamento: Administrativo: Segunda a Sexta: 8h às 17h. Pedagogia: Segunda a Sexta: 8h às 18h. Secretaria Escolar: Segunda a Quinta: 8h às 17h, Sexta: 8h às 14h
Telefone: Direção: (92) 3232-2488. Secretaria Escolar: (92) 3232-1950. Gerência de Formação Cultural e Eventos: (92) 3232-2440

 Largos, Praças, Parques
1.   Largo de São Sebastião
Histórico: O Centro Cultural Largo de São Sebastião é um espaço artístico e cultural, localizado no entorno da Praça de São Sebastião, no centro da cidade de Manaus, gerenciado pelo Governo do Estado do Amazonas, por intermédio da Secretaria de Estado de Cultura.




 Inserido numa área de resgate histórico, arquitetônico e cultural, dentro do projeto Manaus Belle Époque, o patrimônio que constitui o Centro Cultural Largo de São Sebastião merece, por parte daqueles que o visitam e o utilizam, cuidados específicos e atenção especial.
Endereço: R. Dez de Julho, S/N (R. Costa Azevedo e R. José Clemente), Centro
Endereço Administrativo: Casa das Artes, Rua José Clemente, n. 564 Centro
Telefone: (92) 3631 6227

2.   Praça Senador Jefferson Péres
Histórico: O Parque Senador Jefferson Péres é um espaço público edificado em área de antiga invasão de palafitas que interferiam nos igarapés de Manaus e Bittencourt, dois tradicionais pontos urbanos da cidade de Manaus. Objetivando a recuperação do ambiente, o Parque possibilita aos seus visitantes conhecer sobre um pouco da história política, social e paisagística da capital amazonense, especialmente do período da economia da borracha, a partir da forma como foi estruturado – a vegetação, o traçado, a arquitetura, a simetria, a simbologia, enfim, de todo um clima que marcou aquele período histórico.




 Horário de Funcionamento: Segunda a domingo, das 06h ás 22h.
Endereço: Av. Sete de Setembro com Jonathas Pedrosa.
Telefone: (92) 3631-6512

3.   Parque Rio Negro
Histórico: Localizado na Orla do bairro de São Raimundo, o Parque Rio Negro é um espaço público, de acesso gratuito, que oferece uma programação diversificada. O complexo de lazer e cultura está inserido no Programa Social e Ambiental dos Igarapés de Manaus (Prosamim III), do Governo do Estado do Amazonas, financiado pelo Banco Interamericano de Desenvolvimento (BID) para requalificação ambiental, urbanística e habitacional da cidade, e a administração é da Secretaria de Estado de Cultura.





Na paisagem do Parque Rio Negro, o prédio que chama a atenção é o da Fábrica Miranda Corrêa, fundado em 1912 – uma bela e imponente construção, que lembra claramente um castelo de influências germânicas. A família Miranda Corrêa foi responsável pela produção da cerveja amazonense XPTO, que depois foi vendida para outra cervejaria internacional. Nessa torre, também foi instalado o primeiro elevador do Amazonas.
Estrutura: O complexo, que mede, ao todo, mais de 36 mil metros quadrados, tem área urbanizada com pistas de caminhada, jardins, gazebo, mirantes, quiosques, praças e uma academia ao ar livre, com 16 equipamentos de ginástica, além de playground com piso emborrachado, banheiros, vagas de estacionamento, iluminação ornamental, pistas para caminhada e um jardim.
Eventos que podem ser realizados no Parque Rio Negro: Apresentações musicais; Espetáculos de danças; Espetáculos teatrais; Eventos Religiosos; Eventos Esportivos; Desfiles; Outros (desde que autorizados pela Secretaria de Estado de Cultura)
Atividades que são permitidas no Parque Rio Negro: Atividades com bolas (exclusivo para crianças); Uso do Playground (exclusivo para as crianças na faixa etária de 2 a 10 anos de idade); Uso de patins, bicicletas e skate; Atividades esportivas: caminhadas, corridas e uso dos equipamentos de ginásticas; Teatro, dança, música, atividades circenses, brincadeiras lúdicas e/ou apresentação de qualquer natureza, que sejam apropriados para o Parque Rio Negro, desde que a Secretaria de Cultura tenha autorizado antecipadamente; Passeio com cães de pequeno e médio porte, desde que na coleira e com focinheira;
Horário de Funcionamento: Parque Rio Negro: Segunda feira a Domingo, das 06h às 22h. Administração: Segunda a Sexta feira, das 09h às 21h. Sábados, Domingos e Feriados: das 15h às 21h. Espaço aberto para visitação.
Endereço: Orla do Igarapé de São Raimundo (Rua 5 de Setembro, bairro de São Raimundo – ao lado da Ponte Senador Fábio Lucena)
Telefone: (92) 3131-2450 / 2454 / 2453

4.   Praça Antônio Bittencourt
Histórico: A Praça Antônio Bittencourt, popularmente mais conhecida como Praça do Congresso referência direta ao 1º Congresso Eucarístico Diocesano de Manaus e a comemoração dos cinquenta anos de criação do Bispado do Amazonas, realizado neste logradouro em junho de 1942.





Inicialmente conhecida como Largo do Paiçandu, em seguida como Praça Cinco de Setembro, recebendo seu nome atual em homenagem ao político renomado da época Antônio Clemente Ribeiro Bittencourt. Foi reinaugurado no dia 02 de dezembro de 2012, pelo Governador Omar Aziz, através da Secretaria de Cultura. Situada entre as Ruas da Constituição, Rua Ramos Ferreira e Rua Monsenhor Coutinho.
No seu entrono encontra-se o Instituto de Educação do Amazonas – IEA, Instituto Benjamin Constant, prédio sede dos Correios onde antes funcionava o Departamento de Saúde Pública e na esquina da Rua Monsenhor Coutinho com Av. Eduardo Ribeiro o Ideal Clube, de imponente arquitetura.
A Praça tem sido logradouro para grandes festejos populares, cívicos, políticos e religiosos. A Praça serviu também para as solenidades cívicas de abertura da Semana da Pátria, solenidades comemorativas do Fogo Simbólico da Pátria, evento relativo à Semana Nacional de Trânsito, ponto de concentração de demonstração de bandas marciais escolares do Instituto de Educação, do Instituto Benjamin Constant, do Colégio Brasileiro e do Colégio Dom Bosco, posse do Governador Gilberto Mestrinho, realização do Comício das Diretas Já, ponto de concentração dos desfiles carnavalescos, de desfiles escolares comemorativos do Dia do Amazonas, e de eventos sociais e desportivos.

5.   Praças Heliodoro Balbi, Roosevelt e Gonçalves Dias
Histórico: Conhecida popularmente como Praça da Polícia, a Praça de Heliodoro Balbi tem história peculiar na formação urbana da cidade de Manaus. Antes de ser organizada como logradouro público, ladeada pelo edifício do Ginásio Amazonense Pedro II e pelo antigo Regimento Militar, era um pedaço de chão que parecia destinado a recolhimento e passeio da população, um imenso descampado.





Horário de Funcionamento: Segunda a Domingo, das 08h às 19h.
Endereço: Praça Heliodoro Balbi s/n – Centro – CEP: 69073-000 - Manaus – AM
Telefone: (92) 3631-6512 (Diretoria); (92) 36316047

Bibliotecas
 1.   Biblioteca Pública do Amazonas
A primeira Biblioteca Pública do Amazonas foi instalada em Manaus, na Igreja de Nossa Senhora da Conceição, em 1871, ao tempo do Império do Brasil. A capital da província amazonense era ainda uma aldeia. Passou a maior parte dos anos abandonada, disposta em pequenas salas de prédios emprestados, sem representar grande importância social.








Horário de funcionamento: Segunda a sexta, das 9h às 18h.
Telefone: (92) 3234-0588
Endereço: Rua Barroso, 57 – Centro Histórico | CEP: 69010-050 | Manaus – AM

2.   Biblioteca de Artes
Histórico: Foi inaugurada no dia 26 de março de 2007 e possui três ambientes. Um deles é a Galeria que conta a história da arte, desde a antiguidade até a arte contemporânea. O outro, é o espaço para pesquisa, com cerca de oito mil livros sobre artes visuais, dança, teatro e música, além de dvd’s e cd’s, o banco de textos Aldízio Filgueiras e e o acervo Edney Azancoth. A Biblioteca também possui um espaço para crianças com aproximadamente 400 títulos e 250 gibis.




Horário de Funcionamento: De segunda a sexta, das 8h às 17h.
Telefone: (92) 3233 6058
Endereço: Av. Pedro Teixeira, 2565, no Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro, Bloco E, dentro do Sambódromo.

3.   Biblioteca Arthur Reis
Histórico: Inaugurada em 27 de novembro de 2001, em edifício totalmente restaurado pelo Governo do Estado do Amazonas, através do projeto Belle- Époque, a Biblioteca Arthur Reis está instalada em um prédio, cedido pelo instituto de Resseguros do Brasil- IRB, do qual o professor Arthur Cezar Ferreira Reis foi por muitos anos vice-presidente.




Seu acervo reúne quase 90 anos da vida do professor Arthur Reis compreendendo cerca de 21 mil volumes, disponibilizado em quatro suportes técnicos: coleção de livros, coleção de folhetos, coleção de periódicos e alguns materiais iconográficos.
A biblioteca possui ainda uma coleção amplamente especializada em assuntos referentes à Amazônia e assuntos de conhecimentos gerais no campo da história, política geografia, economia, antropologia, sociologia, direito, folclore, artes e filologia, incluindo cartas, telegramas, cartões bilhetes, mensagens, fotos, documentos oficiais, artigos de jornal e noticiário de imprensa de diversas partes do mundo.
Guarda também, uma rica coleção de periódicos brasileiros e da América Latina, além de outras coleções em espanhol, francês, inglês, italiano e alemão.
Merecem destaque os originais de obras de autores brasileiros oferecidos diretamente ao professor, com centenas de autógrafos que lhe foram especialmente outorgados.
Horário de Funcionamento: Segunda a sexta-feira, das 9h às 17h.
Telefone: (92) 3637-6660
Endereço: Av. Silves Nº 2.222 – Distrito Industrial I, antiga Bola da Suframa, situada dentro do Centro Cultural dos Povos da Amazônia.

4.   Biblioteca Braille
Histórico: A Biblioteca foi implantada em 9 de novembro de 1999, no prédio da Biblioteca Pública do Amazonas. Em 4 de abril de 2008 se transferiu para o bloco C do Centro de Convenções – Sambódromo.





Atividades Desenvolvidas: Empréstimos de livros em braille, de livros falados e exibição de filmes com audiodescrição. Além disso, promove cursos de informática e música (teclado e violão), produz livros falados em voz sintetizada e humana e realiza transcrições de livros braille. A biblioteca recebe cerca de 120 usuários por mês.
Acervo do Espaço: Livros em Braille (958), Livros Falados (4.020), Filmes com audiodescrição (102), Livros digitalizados (25.000).
Eventos Realizados: Festival de Ópera, Festival de Teatro, Festival de Dança, fóruns, conferências, Concerto de Natal e Festival de Parintins (todos com recursos de audiodescrição).
Horário de Funcionamento: De segunda a sexta, das 8h às 17h.
Telefone: (92) 3622-0869
Endereço: Av. Pedro Teixeira, 2565 – Bloco E / Sambódromo – Alvorada I c/ D. Pedro – CEP: 69040-000 - Manaus – AM

5.   Biblioteca Emídio Vaz D’Oliveira
Histórico: Inaugurada em 28 de novembro de 2001, a Biblioteca Infantil Emídio Vaz D’Oliveira atende crianças de 4 a 10 anos, da educação infantil ao ensino fundamental (1° ao 5° ano), oferecendo serviços de biblioteca especializada, desenvolvendo diversas atividades como: visita guiada, mediação de leitura, hora do conto, oficinas de artes-educação, teatro de fantoches, exibição de filmes, brincadeiras e dinâmicas, jogos culturais e recreativos, exposições temáticas e atendimento, além de orientação à leitura e pesquisas escolares.




 Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 9h às 17h.
Telefone: (92) 3637-7397
Endereço: Rua Dr. Almínio, 73, Centro Histórico

6.   Biblioteca Genesino Braga
Histórico: Inaugurada no dia 21 de agosto de 2002, foi a primeira biblioteca em Manaus a funcionar dentro de um shopping center, destinada a suprir a grande demanda da população estudantil numa das zonas mais populosas da cidade. Sua denominação homenageia o bibliotecário Genesino Braga, natural de Santarém (PA) e que alcançou sucesso profissional no Amazonas.




Acervo: Formado de aproximadamente 8.216 livros, dispõe de obras amazônicas e infantis, enciclopédias, dicionários, atlas, recortes de jornais, revistas e folhetos.
Horário de Funcionamento: De segunda a sexta, das 9h às 17h.
Telefone: (92) 3249-1098
Endereço: Av. Autaz Mirím, 6250 – Shopping Grande Circular – São José II – CEP 69,085-000 – Manaus – AM

7.   Biblioteca Padre Agostinho Caballero Martin
Histórico: A Biblioteca Padre Agostinho Caballero Martin, inaugurada em 27 de novembro de 2001, está instalada no 1º andar do prédio da Casa da Cultura, edifício totalmente restaurado pelo Governo do Estado do Amazonas, através do Projeto Manaus Belle-Époque.




Ela tem o objetivo de dar suporte à demanda da Biblioteca Pública do Amazonas. Funciona agregada à Galeria de Arte Álvaro Páscoa (2º andar) e o Espaço Maestro Nivaldo Santiago/Coral (3º andar), que recebe os integrantes do Coral do Amazonas para estudos e ensaios.
Sua denominação homenageia o Padre Agostinho Caballero Martin “educador de um século”, segundo João Chrisóstomo de Oliveira.
A biblioteca tem como função principal servir de suporte aos estudos e pesquisas da comunidade no geral e auxiliar os professores das escolas municipais, públicas, particulares e universidades.
Sua missão é facilitar e desenvolver o gosto pela pesquisa, na busca incessante do conhecimento através de um acervo atualizado, dinâmico e de atividades culturais, que possam contribuir para o crescimento profissional e cultural dos usuários, funcionários e comunidade em geral.
Acervo: O acervo da Biblioteca Padre Agostinho Caballero Martin é composto por mais de 15 mil livros: didáticos, paradidáticos, referência, revistas, folhetos, artigos de jornais e revistas, que facilita nas consultas dos alunos no ensino fundamental (5ª a 8ª série), do ensino médio e superior.
Já a Galeria Álvaro Páscoa, mantém permanente a Exposição Didacta História da Arte – da Antiguidade à Arte Pop, composta de 77 reproduções, sendo 64 pinturas e 13 esculturas das obras de arte dos maiores expoentes da pintura universal.
Não possui serviço de empréstimo de livros, somente consulta local, leitura de jornais locais, visitação agendada e livre à Galeria, assim como, espaço para estudos em grupos e individual para vestibular, concursos, leitura no geral, orientações bibliográficas e informações gerais.
Horário de funcionamento: Segunda a sexta, das 9h às 17h.
Telefone: (92) 3633-7955
Endereço: Rua da Instalação, 70 – Centro – CEP: 69010-200 – Manaus - AM

8.   Biblioteca Mário Ypiranga
Histórico: A Biblioteca e Memorial Mário Ypiranga Monteiro foi instalada no prédio do Centro Cultural dos Povos da Amazônia (CCPA) em 2011, sob a Diretoria de Bibliotecas da Secretaria de Estado de Cultura do Amazonas, como uma homenagem ao grande professor, pesquisador e autor de mais de 200 títulos publicados ao longo de sua vida até os seus 95 anos.





Neste espaço pode-se encontrar mostruários com suas medalhas, troféus, condecorações, diplomas e alguns de seus objetos pessoais e instrumentos de pesquisa. Incluindo também sua coleção de arte sacra e um vasto acervo bibliográfico com cerca de 16.718 exemplares, envolvendo livros, periódicos, folhetos, fotos, cartas e mapas.
Seu acervo é classificado por Obras Gerais e Amazoniana. Abrange assuntos relacionados à história, geografia, cultura, ciências sociais e políticas, além de mensagens e relatórios de governo, teses acadêmicas, literatura, religião, obras raras, recortes de jornais, revistas, entre outros. Vale ressaltar que muitos títulos possuem dedicatórias de autores e/ou comentários feitos pelo próprio Mário Ypiranga.
Acervo do Espaço: Acervo Amazoniana: 5.427. Acervo Geral: 11.291
Guia de Visitas: As visitas são guiadas pelos próprios guias do CCPA e/ou pelos funcionários da biblioteca.
Horário de Funcionamento: Segunda a sexta-feira, das 9h às 16h.
Telefone: (92) 2125-5328
Endereço: Av. Silves Nº 2.222 – Distrito Industrial I, antiga Bola da Suframa, situada dentro do Centro Cultural dos Povos da Amazônia.

9.   Biblioteca Thalita Phedra Borges dos Santos
Histórico: Possui esse nome em homenagem à Thália Phedra Borges dos Santos, bibliotecária nascida em 1939, atuante direta na luta por melhorias nos serviços bibliotecários no estado do Amazonas, e falecida em 1983 aos 43 anos de idade.
A biblioteca fica situada no Centro Cultural Palácio Rio Branco. Especializada em Ciências Políticas, constituída de peças físicas e um alentado acervo em meio digital, reunindo textos, fotos e filmes. Está instalada à esquerda da entrada principal, e é composta de duas salas, sendo uma para o acervo físico e outra para leitura, homenageando, respectivamente, a Livraria Acadêmica, seus fundadores e sucessores, e o Dr. Eurípedes Lins.
O salão de acervo é composto por mobiliário da antiga Livraria Acadêmica, de Manaus, fundada em 1912 e cujas atividades foram encerradas recentemente. Fotos transformadas em painéis e mobiliário original da livraria, inclusive peças de adorno e decoração, cedidos gentilmente pela família Barata que foi proprietária da livraria, dão um clima especial ao local, recuperando, ao mesmo tempo, parte da história comercial e livreira de Manaus, com o referencial mais remoto dos anos do Império ou de 1852 até a proclamação da República, e desta aos dias atuais.
O salão de leitura, ao contrário, é moderno. Possuindo poltronas confortáveis, oferece ao leitor e pesquisador bases tipo “table” giratórias e niveláveis conforme o interesse e necessidade do usuário, próprias para uso de laptop, com equipamento já adicionado, em ambiente para leitura em suporte físico ou meio digital.
Horário de atendimento ao público: Segunda a sexta, das 9h às 17h.
Telefone: (92) 3234-0588
Endereço: Av. Sete de Setembro S/N – Centro Cultural Palácio Rio Branco - Centro Histórico

10.       Biblioteca Virtual do Amazonas
A Biblioteca Virtual do Amazonas avança e se renova com o objetivo de difundir de forma eficaz o seu riquíssimo acervo de documentos de diversas tipologias, ao mesmo tempo em que preserva os documentos físicos e resgata a memória cultural do Estado. Vinculada à Secretaria de Estado de Cultura visa acompanhar as evoluções tecnológicas e sociais, servir de ferramenta de apoio à pesquisa e democratizar o acesso aos conteúdos disponíveis nos acervos das bibliotecas públicas e das instituições históricas bem como os acervos de personalidade importantes para história do Amazonas. 





Graças a digitalização e unificação de metadados aos registros digitais é proporcionado aos pesquisadores, estudantes, investigadores e interessados em geral a máxima visibilidade a cada uma das obras digitalizadas. A disponibilização digital dos conteúdos dos acervos permite democratizar o acesso dessas informações a um público mais amplo com acesso a rede. A Biblioteca Virtual do Amazonas disponibiliza textos e documentos históricos, legislações, obras literárias, estudos literários, mapas, fotografias, além de informações sobre as Bibliotecas do Estado. Atualmente participam da elaboração e manutenção do site da Biblioteca Virtual do Amazonas, um grupo especializado que integram: bibliotecários, pesquisadores, digitalizadores, web designers e programadores.

Salas de Leitura
 1.   Sala de Leitura – Centro Estadual de Convivência do Idoso
Histórico: Foi idealizado como um espaço destinado à promoção das atividades de lazer, cultura e entretenimento ao público da terceira idade. São oferecidas atividades de saúde, sociais, cidadania, educacionais, culturais, esportivas, lazer e cursos profissionalizantes.
Atividades Desenvolvidas: A sala de leitura do centro visa atender aos seus frequentadores e à população em geral no acesso à informação e à cultura. Possui acesso livre ao acervo para pesquisa bibliográfica e mesas para consulta local. O usuário conta com o apoio de auxiliares da Biblioteca. Não é permitido o empréstimo domiciliar das obras.
Acervo: Possui um acervo dividido em obras de assuntos gerais, acervo amazoniana, obras de literatura geral e infanto-juvenil e gibis.
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta, das 8h às 17h.
Telefone: (92) 3234-0588
Endereço: Rua Wilkens de Matos - Aparecida – Manaus - AM.

2.   Sala de Leitura – Centro Estadual de Convivência da Família Padre Pedro Vignola
Histórico: Foi inaugurada em novembro de 2008. No complexo são oferecidas atividades de saúde, sociais, cidadania, educacionais, culturais, esportivas lazer e cursos profissionalizantes.
Atividades Desenvolvidas: A sala de leitura do centro visa atender aos seus frequentadores e a população em geral no acesso à informação e à cultura. Possui acesso livre ao acervo para pesquisa bibliográfica e mesas para consulta local. O usuário conta com o apoio de auxiliares da Biblioteca. Não é permitido o empréstimo domiciliar das obras.
Acervo: Possui um acervo dividido em obras de assuntos gerais, acervo amazoniana, obras de literatura geral e infanto-juvenil e gibis
Telefone: (92) 3234-0588
Endereço: Rua Gandu c/ Av. Noel Nutels, 119 – Cidade Nova

3.   Sala de Leitura – Centro de Artes e Ofícios da Cachoeirinha
Histórico: Inaugurada em 6 de maio de 2008, a sala de leitura integra o Centro de Artes e Ofícios da Cachoeirinha, que faz parte do Prosamim (Programa de Saneamento e Recuperação dos Igarapés) e do programa “Territórios da Cidadania”, do Governo Federal, em parceria com o Governo do Amazonas. Nele funcionam diversos cursos e oficinas, tais como de dança, teatro, música (violão, musicalização infantil e teclado), artes plásticas e visuais (iniciação à pintura e ao desenho). A Sala de leitura tem por objetivo dar apoio aos diversos cursos e oficinas ofertados pelo Liceu de Artes e Ofícios Cláudio Santoro.




Atividades Desenvolvidas: A sala de leitura do centro visa atender aos alunos, funcionários e professores do Liceu e à população em geral no acesso à informação e à cultura. Possui acesso livre ao acervo para pesquisa bibliográfica e mesas para consulta local. O usuário conta com o apoio de auxiliares da Biblioteca. Não é permitido o empréstimo domiciliar das obras.
Acervo: Possui um acervo dividido em obras de assuntos gerais, acervo amazoniana, obras de literatura geral e infanto-juvenil e gibis.
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta, das 8h às 17h.
Telefone: (092) 3234-0588
Endereço: Rua Antônio Passos de Miranda, s/nº – (Igarapé da Cachoeirinha – próximo da Escola GM da Polícia Militar) – Petrópolis – CEP: 69063-180.

4.   Sala de Leitura – Centro Estadual de Convivência da Família Madaglena Arce Daou
Histórico: Inaugurado em 20 de dezembro de 2011. No complexo de 29 mil metros quadrados de área construída são oferecidas atividades de saúde, sociais, cidadania, educacionais, culturais, esportivas, lazer e cursos profissionalizantes.
Atividades Desenvolvidas: A sala de leitura do centro visa atender aos seus frequentadores e à população em geral no acesso à informação e à cultura. Possui acesso livre ao acervo para pesquisa bibliográfica e mesas para consulta local. O usuário conta com o apoio de auxiliares da Biblioteca. Não é permitido o empréstimo domiciliar das obras.
Acervo: Possui um acervo dividido em obras de assuntos gerais, acervo amazoniana, obras de literatura geral, infanto-juvenil, gibis e livros em braille.
Horário de Funcionamento: Segunda à Sexta, das 8h às 20h. Sábado: 14h às 20h.
Telefone: (92) 3234-0588
Endereço: Avenida Brasil s/ nº – Bairro Santo Antônio – Manaus - AM.

Patrimônio Cultural
1.   Ateliê de Conservação e Restauro de Obras de Arte e Papel
Histórico: O Ateliê de Conservação e Restauro de Obras de Arte e Papel foi implantado em 1997, com a missão de preservar, de conservar e de restaurar nossos bens culturais, como: pinturas de cavalete, esculturas em metal, pétreo e madeira, imagens em madeira policromada e elementos artísticos integrados à arquitetura.







Endereço: Palacete Provincial Praça Heliodoro Balbi, s/n – Centro
Telefone: (92) 3631-2558 / (92) 3234-4073
Horário de funcionamento: Segunda a sexta, das 8h às 17h.

2.   Gerência de Projetos Especiais
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1546 – Vila Ninita (Anexo ao Centro Cultural Palácio Rio Negro) – Centro – CEP: 69.005-141 – Manaus/AM – Brasil.
Telefone: (92) 3631-1600
Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 8h às 17h

3.   Patrimônio Cultural Imaterial
Histórico: A implantação da Assessoria de Patrimônio Cultural Imaterial objetiva especialmente o cuidado com os bens de natureza imaterial. Estes são complexos, pois tratam de bens intangíveis, abstratos como as formas de expressão, os modos de criar os saberes e o fazer da população, que se classificam como cultura tradicional, popular e oral.
No Brasil, o reconhecimento das expressões populares data dos anos 30, cujo mentor Mário de Andrade, intelectual e modernista, propôs a preservação de processos culturais e de saberes, conceitos que somente mais tarde seriam classificados como patrimônio imaterial.
O patrimônio imaterial está expresso nos artigos 215 e 216 da Constituição Federal de 1988: “Constituem o patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação e à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira”. Entretanto, somente em 2000 foi instituído um instrumento legal para a preservação desse patrimônio, o Registro de bens culturais de natureza imaterial e criou-se também o Programa do Patrimônio Imaterial por meio do Decreto Federal nº 3.551.
O Patrimônio Cultural Imaterial ressalta a importância que tem os processos de criação e manutenção do conhecimento sobre o produto a ser protegido como: as práticas, representações, expressões, conhecimentos e técnicas, junto com instrumentos, objetos e técnicas e lugares que lhes são associados, e está diretamente relacionado com o conhecimento, com o processo de criação, e não com o produto resultante desse conhecimento, muito embora seja este indubitável. Segundo a UNESCO, “é amplamente reconhecida à importância de promover e proteger a memória e as manifestações culturais representada em todo o mundo, por monumentos, sítios históricos e paisagens culturais.
Mas não só de aspecto físicos que se constitui a cultura de um povo. Há muito mais contido nas tradições, no folclore, nos saberes, nas línguas nas festas e em diversos outros aspectos e manifestações, transmitidos oral ou gestualmente, recriados coletivamente e modificados ao longo do tempo. A essa proporção intangível da herança cultural dos povos, dá-se o nome de patrimônio cultural imaterial”.
No Amazonas, o Governo do Estado, através da Secretaria de Cultura, vem trabalhando nesse sentido planejando e executando as políticas de pesquisa, inventário, mapeamento, registro e salvaguarda dos bens culturais de natureza imaterial.
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1546 – Vila Ninita (Anexo ao Centro Cultural Palácio Rio Negro) – Centro – CEP: 69.005-141 – Manaus - AM
Telefone: (92) 3232-5858
Horário de funcionamento: De segunda a sexta, das 8h às 17h

4.   Patrimônio Histórico e Arquitetônico
Histórico: O Departamento tem a missão de cadastrar e fiscalizar os imóveis de interesse de preservação do sítio histórico da cidade de Manaus, bem como a elaboração do projeto Belle Époque que vem recuperando conjunto de edificações antigas.
Endereço: Av. Sete de Setembro, 1546 – Vila Ninita (Anexo ao Centro Cultural Palácio Rio Negro) – Centro – CEP: 69.005-141 – Manaus - AM
Telefone: (92) 36311600 / (92) 3631-3045.
Horário de funcionamento: De Segunda a Sexta, das 8h às 17h.